A História de Visconde de Mauá


A Vila de Visconde de Mauá é a primeira que se chega após a descida da serra. A casinha de madeira do Ponto de Informações Turísticas e o grande campo de futebol ao seu fundo anunciam a chegada ao paraíso! No lado oposto da rua, a Igreja azul e branca dá o tom ao ambiente e lembra os tempos da colonização, já que é datada de 1912, pouco depois de ser criado o Segundo Núcleo Colonial Visconde de Mauá como incentivo à ocupação europeia. Geralmente começamos a história dessa parte, mas vamos voltar um pouco mais...

​Antes da chegada europeia em Visconde de Mauá, os Índios Puris habitavam regiões da serra da mantiqueira e do vale do paraíba. Segundo relatos históricos, eram índios tranquilos, pacíficos e nômades - já que não eram exímios agricultores - que foram dizimados por forças organizadas pelo império, a fim de defender os interesses da colonização da região. Utilizaram-se da força bruta e espalharam doenças como a Varíola, de modo não intencional, pois os índios não tinham anticorpos para essas mazelas e sucumbiram por simples contato, e intencional, para acelerar o extermínio e conquista do território. Tática brutal, porém utilizada de forma sistêmica em tempos de grandes colonizações.

Seguindo a história, em 1870, Irineu Evangelista de Souza, apoiado por interesses ingleses, recebe as terras da região como concessão para exploração de madeira, que seria utilizada para fazer carvão, que por sua vez seria usado como combustível para trens. Mais uma vez a região sofre com a ganância, e dessa vez as florestas são destruídas.

Pouco mais a frente, em 1889, o filho do visconde, Henrique Irineu de Souza, instala nas terras de Mauá o Primeiro Núcleo Colonial, formado por famílias europeias. Segundo a história, essa iniciativa falhou, porém, entre 1908 e 1916, o governo federal compra as terras de Henrique e forma a segunda tentativa de criar um Núcleo Colonial. Depois disso, várias famílias europeias permaneceram na região e começaram a receber familiares e amigos de seus países de origem. Desenvolveram as atividades turísticas, a partir da década de 30, e começaram a dar cara para a Visconde de Mauá que conhecemos hoje.

Outro movimento determinante na formação da região foi a chegada dos Hippies nos anos 70. Em busca de alternativas à vida industrial e urbana, o movimento que teve escala mundial, encontrou em Visconde de Mauá o paraíso perdido. A semente dos movimentos de contra cultura e busca de novas alternativas de vida foi plantada historicamente na Vila da Maromba, mas hoje germina por toda parte. Entre os movimentos atuais podemos citar a Feira do Produtor, que incentiva os produtos locais e livres de processos de industrialização, Cultivos Orgânicos e Alimentação Viva, Centros Espirituais, Comunidades Alternativas, como o Santo Daime, Música e Artesanato, Permacultura, e muitas outras coisas...

E como está a vila hoje? Veja em: Vila de Visconde de Mauá

Em Destaque
Mauá360° Recomenda
Fale com a Gente
Navegue

Visconde de Mauá

Rio de Janeiro, RJ